Reduzir fonte Letra tamanho normal Aumentar fonte

Bombeiros Municipais de Sardoal

 

Missão

 

bmsardoal  

A Missão do Gabinete Municipal de Proteção Civil, Florestal e Bombeiros

As missões desempenhadas pelos Bombeiros Municipais de Sardoal são todas aquelas que estão acometidas aos Bombeiros Portugueses.
Nomeadamente:

a) O combate a incêndios;
b) O socorro às populações em caso de incêndios, inundações, desabamentos, abalroamentos e em todos os acidentes, catástrofes ou calamidades;
c) O socorro a náufragos e buscas subaquáticas;
d) O socorro e transporte de sinistrados e doentes, incluindo a urgência pré-hospitalar;
e) A prevenção contra incêndios em edifícios públicos, casas de espetáculos e divertimento público e outros recintos, mediante solicitação e de acordo com as normas em vigor, nomeadamente durante a realização de eventos com aglomeração de público;
f) A emissão, nos termos da lei, de pareceres técnicos em matéria de prevenção e segurança contra riscos de incêndio e outros sinistros;
g) A colaboração em outras atividades de Proteção Civil, no âmbito do exercício das funções específicas que lhes forem cometidas;
h) A participação noutras ações, para as quais estejam tecnicamente preparados e se enquadrem nos seus fins específicos;
i) O exercício de atividades de formação cívica, com especial incidência nos domínios da prevenção contra o risco de incêndio e outros acidentes domésticos.

Na organização estrutural da Câmara Municipal de Sardoal, os Bombeiros Municipais estão englobados, em conjunto com o Serviço Municipal de Proteção Civil e o Gabinete Técnico Florestal, naquilo que se designa de Gabinete Municipal de Proteção Civil, Florestal e Bombeiros, logo, aos Bombeiros Municipais também estão acometidas todas as missões e atividades de Proteção Civil, sendo os seus objetivos fundamentais os seguintes:

a) Prevenir os riscos coletivos e ocorrência de acidentes graves ou de catástrofes deles resultantes;
b) Atenuar os riscos coletivos e limitar os seus efeitos no caso das ocorrências descritas na alínea anterior;
c) Socorrer e assistir as pessoas e outros seres vivos em perigo, proteger bens e valores culturais, ambientais e de elevado interesse público;
d) Apoiar a reposição da normalidade da vida das pessoas em áreas afetadas por acidente grave ou catástrofe.

 

Ainda no que diz respeito às atividades de Proteção Civil, estas podem exercer-se nos seguintes domínios:

a) Levantamento, previsão, avaliação e prevenção dos riscos coletivos;
b) Análise permanente das vulnerabilidades perante situações de risco;
c) Informação e formação das populações, visando a sua sensibilização em matéria de autoproteção e de colaboração com as autoridades;
d) Planeamento de soluções de emergência, visando a busca, o salvamento, a prestação de socorro e de assistência, bem como a evacuação, alojamento e abastecimento das populações;
e) Inventariação dos recursos e meios disponíveis e dos mais facilmente mobilizáveis, ao nível local;
f) Estudo e divulgação de formas adequadas de proteção dos edifícios em geral, de monumentos e de outros bens culturais, de infraestruturas, do património arquivístico, de instalações de serviços essenciais, bem como do ambiente e dos recursos naturais;
g) Previsão e planeamento de ações atinentes á eventualidade de isolamento de áreas afetadas por riscos.

Organização

 

Organização do Gabinete Municipal de Proteção Civil, Florestal e Bombeiros


O Gabinete Municipal de Proteção Civil, Florestal e Bombeiros divide-se, segundo a organização definida pela Câmara Municipal de Sardoal, em três áreas – Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC), Gabinete Técnico Florestal (GTF) e Bombeiros Municipais de Sardoal (BMS) – sendo que as missões e atribuições de cada uma estão descritas no separador “Missão”.

As missões e atividades do SMPC são desempenhadas por elementos designados para o efeito, coordenados pelo Comandante Operacional Municipal.

As missões e atividades do GTF são desempenhadas por um técnico, podendo ser apoiado por elementos designados para o efeito, bem como pela equipa de Sapadores Florestais de Sardoal. O gabinete é coordenado pelo Comandante Operacional Municipal.

No que diz respeito aos BMS, estes estão organizados em dois setores – o administrativo e o operacional.

O setor administrativo trata de toda a parte administrativa e documental da gestão do Corpo de Bombeiros, e conta com uma funcionária administrativa.

 

 DSC9723

Comandante 

Nuno Morgado

 

 DSC9754

2º Comandante

Pedro Curado

 

 DSC9740

Adjunto de Comando

Paulo Rebelo

  O setor operacional é responsável pela execução de todas as missões descritas no separador “Missão”, que estão inseridas nas competências do Corpo de Bombeiros. Este setor é composto por quatro quadros, a saber:


a) Quadro de Comando – é constituído pelos elementos do Corpo de Bombeiros a quem é conferida autoridade para organizar, comandar e coordenar as atividades exercidas pelo Corpo de Bombeiros, incluindo, a nível operacional, a definição estratégica dos objetivos e das missões a desempenhar.
O comando é constituído pelo Comandante Nuno Ricardo Mendes Morgado, assumindo cumulativamente o cargo de Comandante operacional Municipal, pelo 2º Comandante Pedro Miguel Bernardo Reis Curado e pelo Adjunto de Comando Paulo Alexandre Serras Rebelo.


b) Quadro Ativo – é constituído pelos elementos aptos para a execução de todas as missões acometidas ao Corpo de Bombeiros, normalmente integrados em equipas, em cumprimento das funções que lhes são cometidas pela hierarquia, bem como das normas e procedimentos estabelecidos. Os elementos estão divididos pelas seguintes categorias: Chefes, Subchefes, Bombeiros de 1ª, Bombeiros de 2ª e Bombeiros de 3ª.


c) Quadro de Honra – o quadro de honra é constituído pelos elementos que pela sua idade, estado de saúde, ou ocupações profissionais estejam impedidos de permanecer nos outros quadros e não tenham qualquer punição disciplinar superior a repreensão nos últimos seis anos.


d) Quadro de Reserva – O quadro de reserva é constituído pelos elementos que atinjam o limite de idade para permanecer na sua categoria ou que, não podendo permanecer nos restantes quadros por motivos profissionais ou pessoais, o requeiram e obtenham aprovação do comandante do corpo de bombeiros.

 

Atividades

 

O Gabinete Municipal de Proteção Civil, Florestal e Bombeiros, desenvolve, ao longo do ano, diversas atividades operacionais, de prevenção, de sensibilização, entre outras:

a) O Corpo de Bombeiros desenvolve diversas ações de sensibilização sobre a problemática das doenças cardiovasculares – serão realizados diversos rastreios de pressão arterial e diabetes à população de Cabeça das Mós e Presa. Aproveitamos a oportunidade para realçar a nossa disponibilidade para colaborar com outras entidades do concelho, na realização deste tipo de eventos;


b) O Corpo de Bombeiros integra as diversas fases do Dispositivo de Combate a Incêndios Florestais, coordenado pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, com especial ênfase para as fases Bravo, Charlie e Delta. Nestas fases pretende-se o empenho de meios na vigilância, deteção e combate aos incêndios florestais. Os meios empenhados são Equipas de Combate a Incêndios Florestais (constituídas por cinco bombeiros e um veículo de combate), Equipas de Apoio Logístico (constituídas por dois bombeiros e um veículo tanque) e Operadores de Comunicações (três elementos para operar um veículo de comunicações e o Centro de Meios Aéreos). Durante o mesmo período, o Corpo de Bombeiros, no seu heliporto, recebe meios aéreos (helicópteros) para o apoio ao combate aos incêndios florestais. Neste âmbito, será empenhada a equipa de sapadores florestais, nomeadamente em ações de vigilância e ataque inicial aos incêndios florestais, ressalvando, também, o apoio prestado pela restante estrutura do Gabinete Municipal, nomeadamente o Serviço Municipal de Proteção Civil e o Gabinete Técnico Florestal;

 

c) No que diz respeito à prevenção rodoviária, sempre que se justifique e mediante planeamento e operacionalização por parte do Comandante Operacional Municipal (COM), o Corpo de Bombeiros efetua ações de prevenção, vigilância ativa e visibilidade nos locais mais sensíveis (p.ex. EN2), com o intuito, também, de reduzir tempos de resposta no socorro a vítimas de acidente rodoviário. Estas ações desenvolvem-se, normalmente, nos períodos festivos (época natalícia, passagem de ano e páscoa), envolvendo ambulâncias, veículo de socorro e assistência (desencarceramento) e veículo de comando;


d) O GMPCFB, a partir do início de 2012, passou a registar, analisar e arquivar os dados recolhidos através de uma estação meteorológica instalada no quartel dos Bombeiros Municipais de Sardoal. Estes dados são, também, disponibilizados num sítio da internet (http://meteosardoal.no-ip.info/), permitindo a toda a comunidade o acesso aos respetivos dados meteorológicos, bem como outras previsões e avisos;


e) Para além destas atividades, o GMPCFB desenvolve ações no âmbito das missões que lhes estão cometidas pela legislação em vigor.

 

Meios

 

ABTD01.JPGVCOC.JPGVTPT02.JPGVRCI01.JPGVFCI04.JPGVSAT01.JPGVFCI02.JPGABSC02.JPGVTTU01.JPGABSC01.JPGVRCI03.JPG
 

Meios Humanos

Neste momento, o Corpo de Bombeiros tem 63 elementos, com a seguinte dotação:

   • 23 Bombeiros Profissionais (22 homens e 1 mulher);
   • 40 Bombeiros Voluntários (35 homens e 5 mulheres).


Meios Materiais

Neste momento, o Corpo de Bombeiros tem os seguintes veículos:

   • 3 Ambulâncias de Socorro (ABSC);
   • 1 Ambulância de Transporte (ABTD);
   • 3 Veículos Florestais de Combate a Incêndios (VFCI);
   • 2 Veículo Rural de Combate a Incêndios (VRCI);
   • 1 Veículo de Comando Tático (VCOT);
   • 2 Veículo de Transporte de Pessoal Tático (VTPT);
   • 1 Veículo de Comando e Comunicações (VCOC);
   • 1 Veículo Tanque Tático Urbano (VTTU);
   • 1 Veículo de Socorro e Assistência Tático (VSAT);
   • 2 Motas.

 

História

 

bombeiros antiga  

Ao Serviço da Comunidade

 

Meio século pouco ou nada representa na dimensão do tempo da história, mas a verdade é que na segunda metade do século XX ocorreu, de forma vertiginosa, uma revolução do modo de vida das populações rurais e na sociedade em geral e a evolução da atividade dos Bombeiros foi fortemente influenciada pelas mudanças que entretanto ocorreram e pelos reflexos que estas tiveram nos sistemas de Proteção Civil.


Em 1953, o concelho de Sardoal era um concelho em que predominava a atividade agrícola e florestal e em que não havia um recanto de terra arável que não estivesse cultivado ou um pedaço de floresta que não fosse tratado.


A vila de Sardoal tinha, ainda, uma intensa atividade comercial e na parte industrial predominavam a indústria das malas, a serração de madeiras e a serralharia civil.

Os incêndios florestais eram raros e de pequena dimensão, uma vez que a floresta andava permanentemente limpa, os incêndios urbanos poucas vezes atingiram uma expressão significativa, a sinistralidade rodoviária era quase inexistente e o transporte de doentes era feito com o meio de transporte que estivesse mais à mão, porque não existia qualquer ambulância no concelho de Sardoal.

O primeiro quadro de pessoal dos Bombeiros Municipais de Sardoal, aprovado pela Câmara Municipal em reunião ordinária realizado em 16 de outubro de 1954, teve 15 elementos (1 Comandante, 1 Adjunto de Comando, 1 Chefe, 1 Bombeiro de 1ª Classe, 2 Bombeiros de 2ª Classe e 9 Bombeiros de 3ª Classe).


Na atualidade o Corpo de Bombeiros Municipais de Sardoal é constituído por 23 profissionais e 40 voluntários, bem preparados tecnicamente para acudir a todo o tipo de situações de emergência.

 

Durante anos, quase vinte, apenas dispuseram de uma motobomba, de algumas mangueiras, dos machados e algum equipamento de sapador florestal rudimentar.

O primeiro veículo de combate a incêndios só foi adquirido por volta de 1970 e a primeira ambulância só foi adquirida depois de 1977.


Há memórias de antes terem tido um outro carro, uma velha ambulância adaptada a transporte de pessoal, que raramente estava operacional.


Entre 1970 e 1977/78, apenas existia uma ambulância no concelho de Sardoal, que foi oferecida pela Fundação Calouste Gulbenkian, à Santa Casa da Misericórdia de Sardoal.

Hoje, são 17 veículos, com diversas características que em caso de necessidade podem ser reforçadas com os meios operacionais da Câmara Municipal.


O que existe de comum entre os Bombeiros Municipais de Sardoal e os atuais? Creio poder afirmar, em consciência, que apenas a vontade de servir e o espírito de abnegação e sacrifício, uma vez que as necessidades e os meios operacionais entre uma época e outra são muito diferentes e não podem ser comparados.


Como atual Comandante dos Bombeiros Municipais de Sardoal, presto a mais sentida homenagem aos que foram os primeiros Bombeiros de Sardoal, transmitindo a gratidão da atual geração de Bombeiros, que sei que posso tornar extensiva a todos os Sardoalenses!


Nuno Ricardo Mendes Morgado
(Comandante dos Bombeiros Municipais de Sardoal)

 

Esta página requer cookies para o seu bom funcionamento. Para mais informações consulte a politica de privacidade. Politica de privacidade .

Aceitar utilização de cookies
Politica de cookies